O final do ano é um período bastante crítico, financeiramente falando

Nesse momento, pouca gente arrisca e começa a empreender, porque quase não restou nada das economias no banco ou, então, porque tem medo de pedir um empréstimo sem saber o que vem pela frente, em 2020

O primeiro conselho que podemos dar a alguém que deseja começar a empreender está relacionado à organização da vida financeira. Muitos têm ideias incríveis, mas, precisam de uma ajudinha para colocar seu plano de negócios em prática. 

Pegar um empréstimo pode ser uma alternativa saudável para construir uma pequena empresa?

Bom, não há uma única resposta possível para essa pergunta. O empréstimo não deve ser visto como vilão, desde que você faça um planejamento financeiro minucioso, incluindo as parcelas no orçamento da empresa e, assim, evitando acúmulo de dívidas. 

Antes de investir um dinheirão para abrir sua empresa, pense em começar o negócio de forma simples, com o menor custo possível. 

“Eu comecei a cozinhar aos 12 anos, sempre foi minha paixão. Mas, a minha primeira experiência como empreendedora do ramo da gastronomia foi frustrante. Eu abri um restaurante todo estruturado e a grana não rendeu. Fiquei endividada e desisti. Alguns anos depois, meu marido e sócio, deu a ideia de começarmos do zero, com algo mais simples, cozinhando na casa das pessoas, sem estrutura nossa. Fazíamos eventos e, aos poucos, nossa agenda lotou”, conta Maria de Paula Morabito, que é MEI e, em 2020, planeja abrir seu restaurante novamente. Agora, com público definido e com marketing bem feito. 

Para começar qualquer negócio, o ideal é se planejar para investir e já ter o capital necessário para abrir e manter a empresa durante os primeiros dois anos. Se isso não foi possível, pegar um empréstimo é uma saída, mas é preciso lembrar que isso aumenta o risco de o negócio não dar certo.

Você já começa com uma despesa a mais: a parcela. Assim, só dá para encarar o risco de pegar crédito se você estiver ciente que vai precisar vender e faturar mais, e se planejar para isso.

“Eu pedi meu primeiro empréstimo com a vida totalmente desestruturada, pensando que esta era a solução para todos os meus problemas. Não funcionou. Agora, estou mais preparada. O pessoal costuma dizer que empréstico é problema, sinal de que as coisas não estão bem na sua vida. Eu discordo. É tudo uma questão de organização e bom senso”, complementa Maria de Paula. 

Se, depois de tudo isso, você ainda se perguntar se é possível empreender sem pedir um empréstimo, continue lendo a matéria. A #EquipeDicasMEI vai te mostrar dois caminhos possíveis para que você tira suas ideias do papel sem recorrer aos empréstimos.

Vamos lá?

PROCURE UM SÓCIO INVESTIDOR

O primeiro caminho é vender sua ideia (ou parte dela!) para alguém, que será seu sócio investidor. Nesse caso, é preciso lembrar que a categoria MEI não permite sociedades, então, você teria que buscar outras opções de enquadramento, certo?

O sócio investidor, nesse caso, é uma alternativa para conseguir o capital inicial de investimento. Ele será o responsável por injetar tal capital no negócio com a finalidade de desenvolvê-lo. 

Esta é a ideia que funcionou para Mark Zuckerberg, criador do Facebook. Ele era estudante quando teve a ideia da rede social e precisou procurar um amigo para entrar como sócio e investir nas despesas, que chegou a 1000 dólares e se tornou o que é hoje.

CARTÃO DE CRÉDITO

A outra alternativa é fazer uso do cartão de crédito. Mas, já avisamos logo de cara que essa é a forma mais difícil. Funciona assim: comece com pouco, pegando pequenas quantias do cartão de crédito ou cheque especial. A recomendação é que fique em média 1 ano sem retirar dinheiro desse negócio, só reinvestindo os seus lucros até que chegue a um ponto de equilíbrio interessante.

 Se já tem um emprego ou ocupação em paralelo, é mais fácil.

Nós sabemos que os perfis de empreendedores e empreendimentos variam muito. 

O mesmo caminho pode não funcionar para duas pessoas com histórias diferentes, mas, acreditamos na autonomia dos microempreendedores individuais, principalmente no que se refere à tomada de decisões. 

Para isso, oferecemos auxílio contábil e uma grande ajuda no desenrolar das burocracias. 

VEJA: Confira quais são os serviços oferecidos pela DicasMEI 

Se você optar por seguir o caminho do microempreeendedorismo individual, conte com a #EquipeDicasMEI.