A pandemia de covid-19 modificou nossa rotina e nosso estilo de vida, uma vez que o isolamento social se mostrou medida eficaz de contenção do vírus

A decretação de quarentena, com fechamentos de empresas e paralisação de linhas de produção, bem como bares, restaurantes e vários outros tipos de serviços, está trazendo um choque na produção, e consequentemente na oferta

 

Diante do contexto atual, todos estamos preocupados com os rumos da economia mundial e local, não é mesmo? Sabemos que, por um bom tempo, a dinâmica de trabalho não voltará a ser plenamente como antes e, por isso, é necessário estar atento às alternativas e às ideias inovadoras para manter o funcionamento saudável do seu negócio. 

As bases do sistema capitalista, baseadas nas trocas voluntárias entre indivíduos e organizações, estão sendo colocadas à prova. A questão é quais serão os desdobramentos dessa crise para os microempreendedores individuais. 

Para responder a questionamentos sobre os impactos da pandemia de covid-19 na categoria MEI, convidamos, no Entrevista com Especialista deste mês, Laura Mendes, que é formada em Administração Pública pela UNESP e especialista em Controladoria e Gestão de Tributos. Atuou em projetos voltados para a pesquisa e implementação de inovação em pequenos negócios e hoje trabalha como Analista de Negócios com foco em Desenvolvimento e Atendimento no Sebrae SP de Barretos.

Vamos conferir a entrevista?

 

Diante das medidas de contenção divulgadas pela OMS, Organização Mundial de Saúde, dentre elas o distanciamento e isolamento social, quais são as indicações de gestão para que os microempreendedores individuais não percam a estruturação do seu negócio?

Laura: De forma geral, esse é um momento de muito foco em planejamento e gestão. O primeiro passo é estudar de que forma seu segmento está sendo afetado pelas medidas, se há a possibilidade de continuar vendendo e quais são os cuidados necessário para isso. Atenção aos custos, é hora de enxugar os custos da empresa e evitar grandes estoques, negociar com fornecedores, repensar investimentos e buscar a prestação de serviços e vendas a distância. Temos visto esse exemplo na área de alimentação, que começou ou intensificou o delivery. Para isso, tiveram que mostrar o cuidado extra que estão tendo até que esse produto chegue nas mãos do cliente. No seu segmento é possível fazer entregas? Quais são os cuidados que tenho que ter para isso? Como vou divulgar isso para os meus clientes? Quais recursos são necessários para que isso aconteça?

Para os que estão impossibilitados de trabalhar, fortalecer seus canais digitais, realizar capacitações online e manter contato com os clientes.

 

Quais são os impactos econômicos imediatos da paralisação das atividades profissionais do MEI?

Laura: Os impactos serão diferentes para cada setor, mas de forma genérica toda economia será afetada com a crise. Como o MEI tem pouco capital, ele está mais exposto, é importante buscar orientação profissional, e ficar atento às medidas que Governo está preparando para ajudar as micro e pequenas empresas. O Sebrae está realizando atendimentos e consultorias online para dar esse apoio.

 

E a longo prazo? O que o MEI pode esperar para o segundo semestre de 2020? Há como se preparar para o futuro, neste caso?

Laura: É muito cedo para projeções. Mas o MEI que não perder a proximidade com o cliente nesse momento, ou seja, continuar se comunicando com o cliente através das redes sociais, telefonemas, e-mails e WhatsApp, terá maior facilidade de atuação quando o isolamento acabar.

 

Em relação à dinâmica de trabalho, há uma estratégia possível para amenizar esses impactos?

A crise intensificou significativamente a venda online e entrega à domicílio. Aliás, muitos negócios só podem vender dessa forma e o mercado está se adaptando. Estar na internet, disponível e facilitar as informações para o cliente tomar sua decisão de compra é imprescindível. Para vender existem os marketing places, aplicativos, redes sociais e até o WhatsApp e telefone. Para pagamento também existem ferramentas, como boleto, links, transferências, cartão e para vendas próximas a possibilidade de receber na hora da entrega.

Defina as ferramentas que irá utilizar e organize o tempo para criar conteúdo, para divulgar os produtos, responder os clientes, defina qual será a embalagem, cuidados com higiene, verifique sua capacidade de entrega e produção e como será a logística. Será necessário criar um novo fluxo de trabalho para enfrentar a crise e mostrar para o cliente que a empresa está tomando os devidos cuidados.

 

Em sua opinião, qual o melhor plano de ação para manter o CNPJ ativo em um momento desafiador como este?

Não existe receita de bolo, o que está acontecendo está afetando todos e quem reagir e se adaptar de forma mais rápida e criativa vai conseguir passar por isso e continuar ativo. Busque informações sobre seu segmento e entender as mudanças no comportamento de compra do seu cliente, controle os custos e foque no que pode trazer resultados mais rápidos, como produtos e serviços que mais vendem e canais de comunicação que tragam maior visibilidade.

 

Para o microempreendedor que deseja se preparar para situações futuras, semelhantes a esta, que o impedem de desenvolver plenamente suas atividades, quais os seus conselhos de gestão e finanças?

Busque capacitação e orientação em gestão. O microempreendedor, muitas vezes, foca na venda e produção e não se dedica a gestão do negócio. É preciso colocar na sua rotina de trabalho a controles como fluxo de caixa, contas à pagar, contas à receber, vendas, separar as contas da pessoa física da pessoa jurídica, calcular o resultado da empresa (lucro/prejuízo) entender quais são os gastos fixos e os variáveis, fazer uma reserva de capital para passar por momentos como esse e manter o cadastro de clientes atualizados. Os MEIs que estiverem em segmentos que podem se adaptar a esse momento do mercado, mas que não tem cadastro de cliente por exemplo, terão maior dificuldade de vender durante o isolamento. Os que não tiverem uma reserva precisarão estudar a possibilidade de buscar crédito no mercado para sobreviver e se esforçarem pós isolamento para cumprir com o pagamento. Quanto mais informações sobre o seu negócio você tiver, maior será a sua segurança e assertividade na hora de tomar uma decisão.

E aí, conseguimos te ajudar a enxergar os próximos passos com mais otimismo, buscando soluções viáveis e alternativas para a manutenção do seu negócio?

Para ler mais entrevistas com especialistas, continue navegando em nosso blog. 

 

Laura Mendes é formada em Administração Pública pela UNESP e especialista em Controladoria e Gestão de Tributos. Atuou em projetos voltados para a pesquisa e implementação de inovação em pequenos negócios e hoje trabalha como Analista de Negócios com foco em Desenvolvimento e Atendimento no Sebrae SP de Barretos.